Significado de Empatia

SIGNIFICADO E DEFINIÇÃO DE EMPATIA




Esta palavra deriva do termo grego empátheia, também recebe o nome de inteligência interpessoal (termo criado por Howard Gardner) e se refere à capacidade cognitiva de uma pessoa entender o universo emocional de outra.


Empatia

Antes de continuar, será necessário separar dois conceitos que às vezes são confusos, empatia e simpatia . Enquanto o primeiro se refere a uma capacidade, o segundo refere-se a um processo absolutamente emocional que nos permite perceber o humor do outro, mas não exige que o entendamos.



Empatia e inteligência emocional



A inteligência emocional é o sistema no qual todas as habilidades relacionadas à comunicação entre o indivíduo e os sentimentos (sejam eles próprios ou dos outros) estão incluídas. 


É composto por cinco habilidades: 




  1. Autoconhecimento (compreensão da origem dos sentimentos)
  2. Controle emocional (aprender a canalizar emoções positivamente)
  3. Motivação (encontrar razões para superar e ter capacidade de motivar os outros)
  4. Gerenciar relacionamentos (relacionar-se com os outros) saudavelmente
  5. Respeitando os outros e fazendo-se respeitar)


A empatia é a quinta habilidade, e é o que nos permite perceber os sentimentos dos outros e fazê-los sentir-se menos solitários. Não é um dom, todos nós podemos desenvolvê-lo se quisermos, basta abrir sua mente e tentar perceber a vida do outro a partir da sua perspectiva e não dos nossos olhos.


Para que a empatia exista, é necessário que julgamentos morais e fenômenos de raízes afetivas (simpatia , antipatia) sejam deixados de lado; de tal forma que você possa ter uma atitude simpática, mas não ter compaixão pelas circunstâncias do outro. 


Consiste no esforço de caráter objetivo e racional para realizar o processo de compreensão intelectual que permite entender os sentimentos do outro. Por estas razões, é uma das ferramentas utilizadas pelos psicólogos em sua tarefa profissional para abordar seus pacientes.


Em outras palavras, a empatia nos permite referir-nos à capacidade intelectiva de todo ser humano de experimentar a maneira pela qual outro indivíduo se sente. Essa habilidade pode levar a uma melhor compreensão de suas ações ou a sua maneira de decidir determinados problemas. 


A empatia dá a capacidade de compreender os requisitos, atitudes, sentimentos, reações e problemas dos outros, colocando-se em seu lugar e enfrentando suas reações emocionais da maneira mais apropriada.


É interessante notar que o desenvolvimento da empatia requer um certo nível de inteligência: por essa razão, aqueles que são diagnosticados com síndrome de Asperger , autismo ou sofrem de algumas psicopatias carecem dessa capacidade cognitiva. 


As pessoas com empatia, os especialistas se destacam, têm a capacidade de ouvir os outros e entender os seus problemas e cada uma das suas ações.




Desenvolver empatia


Quando uma pessoa se sente extremamente angustiada e ao ver o estado de espírito de outra pessoa mudar completamente devido ao fato de estar com ela, ela experimenta o sentimento de empatia


Para isso não é necessário que ambas as pessoas vivam as mesmas experiências, mas uma delas tem a capacidade de captar as mensagens não-verbais, e também a verbal que a outra transmite e fazer exatamente o que a outra precisa para sentir-se compreendida de maneira única.


Um problema comum que surge quando duas pessoas tentam se comunicar é que, quando uma delas deve expressar seus sentimentos, ele se retrai, evita o assunto ou simplesmente tenta fazer uma brincadeira que conduza a conversa a um espaço onde ele possa se sentir seguro. Isso ocorre porque essa pessoa experimenta a presença de certas barreiras que se interpõem entre ela, os sentimentos e a outra pessoa.


Os elementos externos que influenciam para que uma pessoa não possa se expressar, além de suas barreiras internas, têm a ver com a reação que esperam que a outra pessoa tenha. 


Para alcançar um bom relacionamento empático, é fundamental que, diante de uma pessoa que expresse seus sentimentos, evitemos as seguintes atitudes: 


* Subtrair importância do que dói ou preocupa essa pessoa, procurando uma maneira de ridicularizar os sentimentos que tem e de impor razões para não se sentir assim; 


* Predisponha à conversa com preconceitos, analisando o que o outro manifesta com base em nossas idéias, abordando-o com um véu de crenças e idéias;


* Use frases como "assim você não vai conseguir nada", por que você sempre acaba fazendo o mesmo?", "Etc"; 


* Ter sentimentos de compaixão pelo outro; 

* Mostre-se como um exemplo positivo, comparando a situação do outro com um vivenciado por nós anteriormente; 

* Outras atitudes semelhantes.


Com este modo de agir, a única coisa que se consegue é que a pessoa aflita se afaste, se esconda em sua concha e considere a possibilidade de não tocar naquele tema novamente com esse indivíduo. 


Para que ambos desenvolvam uma relação de empatia é necessário que o interlocutor se esqueça de si mesmo e de seus princípios e tente se aproximar do mundo do outro, como se estivesse tentando aprender uma língua desconhecida.


Antes de terminar, gostaríamos de esclarecer a verdadeira importância de um indivíduo poder falar sobre seus sentimentos, uma ferramenta essencial para viver em sociedade. Aprender a colocar em palavras o que você sente é algo que deve ser aprendido na infância e é essencial para obter uma boa comunicação emocional.


São os pais que devem ajudar seus filhos a descobrir e compreender seus próprios sentimentos e os dos outros. Aqueles que não conseguem expressar como se sentem, dificilmente conseguem desenvolver uma verdadeira empatia com alguém em seu ambiente, porque não conseguem capturar o mundo de um ponto de vista sensível.

Redação Dicionar
Seguinte
« Prev Post
Anterior
Next Post »
Publicidade: Carros por Estado: AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO BRASIL