Significado de Metáfora

SIGNIFICADO DE METÁFORA


significado de metafora

Apalavra metáfora vem do conceito latino metáfora e, por sua vez, de uma palavra grega que em espanhol é interpretada como "tradução". É a aplicação de um conceito ou expressão a uma idéia ou objeto a que não se descreve diretamente, com a intenção de sugerir uma comparação com outro elemento e facilitar seu entendimento. Por exemplo: "Aquelas duas esmeraldas que ele tinha como olhos brilhavam em seu rosto".

A metáfora aparece tanto na teoria literária (estrutura em que é usada como recurso literário ou tropo ), como no campo da linguística (espaço onde aparece como uma das razões mais importantes para a modificação semântica) e na psicologia.

Como dispositivo literário, a metáfora serve para identificar dois termos entre os quais existe algum tipo de similaridade (no nosso exemplo anterior, os termos seriam "olhos" e "esmeraldas" ). Um dos termos é literal e o outro é usado figurativamente. Segundo os especialistas, a metáfora consiste em três níveis: o teor, ao que a metáfora se refere literalmente ( "olhos" ); o veículo, que é o termo figurativo ou o que se entende ( "esmeraldas" ) e a fundação, que é o discurso ou a relação entre o tenor e o veículo (neste caso, a cor verde compartilhada por olhos e esmeraldas).

Os escritores recorrem a metáforas para estabelecer relações sem precedentes entre as palavras ou para descobrir atributos inesperados nelas. Por esse motivo, a metáfora tem um importante poder poético, pois tem a capacidade de multiplicar o significado usual das palavras.

É importante ressaltar que uma metáfora na poética ocupa um lugar semelhante ao das comparações, mas é incompleta em não mencionar diretamente o objeto ou elemento a que deseja se referir. De qualquer forma, é necessário esclarecer que existem dois tipos de metáfora, a pura e a impura.
Uma metáfora impura existe quando ambos os termos, o real e o evocado, aparecem; Esse tipo de metáfora também é conhecido como praesentia ou imagem.

Nos casos em que o termo real não aparece, mas apenas o metafórico, somos confrontados com uma metáfora pura ; É usado para direcionar a atenção para o significante ou para dar um aspecto desconhecido à vida cotidiana.

As metáforas são um elemento alegórico, isto é, manifestam algo que não está sendo dito, mas que pode ser intuído e compreendido através da razão e da associação de conceitos. (Por exemplo, ao olhar para uma escala, podemos pensar em justiça associando os dois elementos, que equilibram e permitem a harmonia).

Dizem que toda metáfora, comumente entendida na sociedade ( equilíbrio = justiça ), primeiro teve que ser uma metáfora pessoal, emergiu do universo interno de um indivíduo que a compartilhou e depois que a associação pessoal se tornou outro elemento da cultura de uma certa sociedade.
Cada poeta pode se relacionar com um certo número de símbolos, palavras que em sua carreira ele estava reinterpretando e dando-lhes uma nova noção (especialmente pode ser encontrada na poesia simbólica do século XIX).

Aristóteles definiu metáforas como uma comparação entre duas ou várias entidades que, à primeira vista, são diferentes e afirmou que essa capacidade humana de gerar metáforas revelou o grande poder da mente. Na psicologia, Freud os descreveu como um elemento fundamental para entender a mente humana, pois o pensamento nas imagens estava mais próximo do inconsciente, dos desejos, do que o pensamento nas palavras; Com base nisso, a psicanálise presta mais atenção ao pensamento metafórico do que literal.

Também no construtivismo, a metáfora é um elemento fundamental, porque, como a realidade não é independente do observador e, portanto, cada pessoa tem sua própria realidade, as metáforas são a maneira individual pela qual cada indivíduo filtra e entende a realidade. através deles a própria realidade poderia ser construída. A diferença dessa corrente com a anterior é que eles não se separam entre linguagem metafórica e literal, ambos constituem um todo através do qual a realidade é interpretada.

Os humanistas também confiam na metáfora ao realizar a avaliação psicológica de um paciente, possivelmente porque dependem muito da literatura para se desenvolver. Em suas técnicas terapêuticas, usualmente empregam o uso de metáforas e narrativas.

No entanto, a corrente cognitiva há muito negligencia o pensamento metafórico, considerando-o ambíguo e impreciso; Deve-se levar em conta que essa teoria propõe que existe uma maneira objetiva de ver a realidade e que aqueles que não são capazes de vê- la através da lógica (como a propõem) estão distorcendo a realidade.

Na realidade, existem profissionais da psicologia cognitiva que estão se voltando para a incorporação de metáforas em seus métodos de pesquisa. Dessa forma, as novas teorias da psicologia cognitivo-comportamental aceitam que não existe uma maneira única de encarar a realidade, mas que ela é analisada com base em metáforas, ou seja, não há métodos lógico-racionais, mas metáforas que ajudam a interpretar o entorno. Portanto, a metáfora para o tratamento de pacientes com distúrbios obsessivo-compulsivos começa a ser usada para ajudá-los a reavaliar esses pensamentos obsessivos.

No que diz respeito à psicologia infantil, dado que neste período de nossa vida temos uma importante bagagem metafórica, através da qual tentamos capturar a realidade, valorizar e julgar nosso comportamento e o de nossos pares, depende fortemente da uso de metáforas e histórias para o tratamento desses pacientes.

Por fim, vale ressaltar que na psicologia existem dois tipos de metáforas: as introduzidas pelo terapeuta e as que podem ser identificadas a partir do relato do paciente, o primeiro deve ser estudado com antecedência para ser significativo para a interpretação do paciente, o último serve entender completamente os elementos que a pessoa não pode nomear ( trauma, experiências desagradáveis etc.). De acordo com Watzlawick, uma mensagem que um paciente emite não apenas comunica informações, mas também algo sobre essa comunicação. Isso significa que tem uma importância metacomunicativa e apresenta uma realidade alternativa na qual o terapeuta deve trabalhar para tentar realizar uma comunicação adequada, extraindo os elementos ocultos por trás das palavras literais.

Nossa vida é cheia de metáforas, em todos os campos que existem e são elas que nos ajudam a entender e aceitar a realidade, portanto, esse conceito deve ser lembrado, não apenas no campo das artes, mas também na ciência.
Seguinte
« Prev Post
Anterior
Next Post »