Significado de Onisciente

SIGNIFICADO DE ONISCIENTE


onisciente

Onisciente é um termo formado por duas palavras latinas que significa "quem sabe tudo". É um adjetivo que nos permite nomear quem tem onisciência, isto é, quem conhece toda a realidade e até aquilo que se enquadra no domínio do possível.

A definição do conceito permite inferir que Deus é o único ser onisciente. Os seres humanos não são capazes de conhecer todas as coisas, pois essa faculdade excede a própria condição humana. Por esse motivo, quando se diz que uma pessoa é onisciente, ela quer dizer que tem conhecimento de muitas disciplinas ou ciências.

Dois tipos de onisciência podem ser distinguidos : onisciência total, que consiste em saber tudo o que pode ser realizado (real e potencial) e onisciência inerente, que é a faculdade de saber tudo o que pode e é desejado.

ateísmo baseia-se no conceito de onisciência para apontar algumas das contradições implícitas nas crenças católicas, revelando situações impossíveis de resolver, mesmo se equiparmos Deus a poderes ilimitados.

Por outro lado, se Deus fosse onisciente, o livre arbítrio não existiria, pois Deus saberia tudo antes de acontecer e, portanto, os seres humanos estariam sujeitos à predestinação. Isso representa uma das maiores contradições da religião cristã.

O que é chamado de narrador onisciente?

Na literatura, a onisciência é usada para explicar os possíveis papéis que a pessoa que conta a história pode assumir uma história. O narrador onisciente geralmente aparece na terceira pessoa e está em posição de descrever o que os personagens sentem ou pensam ou de explicar o que está por trás dos eventos, sem hesitação.

Esse modo de escrita é geralmente o mais escolhido pelos autores, justamente porque lhes permite ter um ótimo controle sobre a história, podendo apresentar o mundo da ficção de maneira ampla, fornecendo aos leitores que, com outro tipo de narrador, não seria possível.

Além do tipo descrito, há o narrador:
* Observador : você só pode mostrar o que percebe através dos seus sentidos. Esse narrador geralmente é um personagem da história ou alguém que a vê de fora;
* Protagonista : a história pode ser escrita na primeira pessoa (uma autobiografia fictícia ou real) ou na segunda pessoa (o protagonista conta a história como se estivesse falando sozinho).

Existem muitas opiniões opostas sobre o que um narrador onisciente deve ser e como ele NÃO deveria ser.. Algumas pessoas afirmam que esse relator deve ser absolutamente objetivo, ou seja, que o autor não possa se opor a nada que se refira a suas idéias ou pensamentos. Outros preferem ser um pouco menos rigorosos e entendem que, às vezes, é necessário fazer alguns esclarecimentos, mesmo que se afastem do que é estabelecido pela narratologia. A verdade é que, embora existam regras, é melhor entender quando é conveniente criar essas dimensões e quando não.


É necessário esclarecer certos conceitos relacionados à construção de um narrador; por exemplo, em uma história em que é onisciente, a aparência de certos elementos subjetivos pode colidir com o restante do trabalho. Em outros casos, esses recursos podem ser usados para expandir o texto e levá-lo para outra dimensão, permitindo que o leitor se identifique de uma maneira mais comprometida com a história.

Por fim, vale ressaltar que, se um narrador onisciente foi escolhido, é porque, no fundo, você deseja estabelecer um contato profundo com o leitor, dando-lhe a oportunidade de mergulhar em nossa história. Portanto, é melhor entender completamente a linha narrativa e saber usar a subjetividade quando estritamente necessário.
Seguinte
« Prev Post
Anterior
Next Post »